Founded by Blessed Fr. Justin Russolillo, S.D.V.

Brazil

Brazil 2PADRES VOCACIONISTAS

Vocação é um dom gratuito,
um chamado, um convite, uma proposta de Deus,
que se apresenta à nossa liberdade e nos pede uma resposta.

(Pe. Jose Lino, S.D.V.)

A Congregação “Sociedade das Divinas Vocações” (Padres Vocacionistas), nascida aos 30 de abril de 1914, em Pianura, pequena cidade do subúrbio de Nápoles (Itália), permaneceu durante muito tempo apenas nos limites territoriais da Itália. Mas no dia 18 de abril de 1950 começava uma nova fase da sua história. Pela primeira vez ela iria transpor as fronteiras italianas e chegar a outros lugares. De fato, naquele histórico 18 de abril de 1950, depois de serem abençoados pelo fundador, Pe. Justino RussolillBrazilo, partiam para o Brasil os três primeiros missionários vocacionistas: Irmão Prisco, Pe. Ugo Fraraccio e o Pe. Franco Torromacco.

Embarcaram no porto de Nápoles, com destino a Salvador onde chegaram no dia 13 de maio de 1950. Vinham a convite do então Arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil Dom Augusto Álvaro da Silva. 0 Arcebispo tinha ido pessoalmente à Itália pedir a Pe. Justino religiosos vocacionistas para a sua grande Arquidiocese.

Naquela época a Arquidiocese de Salvador atingia quase a metade Pe. Polito Brazildo Estado da Bahia. Chegando em Salvador ficaram hospedados no Seminário Central da Bahia. Aos 2 de julho foram transferidos para a Igreja da Lapinha, no bairro da Lapinha, em Salvador, assumindo a animação da Paróquia de São Cosme e São Damião que, naquela época, compreendia uma enorme extensão territorial, incluindo vários bairros da periferia da capital baiana.

Aos poucos os Vocacionistas foram se expandindo e hoje encontram-se presentes em cinco dioceses do Brasil: Salvador, Feira de Santana e Vitória da Conquista (Bahia); Rio de janeiro (RJ) e Aracaju (SE). A partir da segunda metade da década de 1980 foi dado novo impulso ao carisma vocacionista, procurando-se assumir com mais vigor a nossa vocação de cultivadores de vocações para a Igreja. Dentro deste impulso novo surgiu, em 1985, a idéia de dar um rosto diferente à Revista Espírito, abrindo-a para a Igreja de todo o Brasil, transformando-a em instrumento de animação vocacional.


Revista Espirito Santo